Antonio Huertas participou como palestrante do 4º Congresso Nacional de Diretores da Associação para o Progresso e Direção
5 ( 3 votos )

O presidente defendeu a necessidade de enfrentar de uma maneira global a falta de economia: “Reformar o sistema de pensões para torná-lo sustentável apenas soluciona uma parte do problema”

O 4º Congresso Nacional de Diretores, realizado na semana passada em Madri, no qual foram analisadas as 20 tendências que mudarão o mundo e a Espanha. Especificamente, Huertas esteve presente para refletir sobre o problema do envelhecimento, que é global mas que está focado em particular nos países avançados, e sobre as transformações que serão necessárias para enfrentar esta realidade.

Em relação à Espanha, o presidente da MAPFRE analisou o impacto sobre diversos setores, como a educação, a saúde e o ócio, entre outros, mas teve como foco o problema da economia. As projeções demográficas, afirmou Huertas, alertam-nos de que em apenas 15 anos, em 2031, uma em cada quatro pessoas será maior de 65 anos, e não haverá suficientes trabalhadores para contribuir com as pensões porque 62% da população não estará em idade de trabalhar.

O sistema de pensões atual não é sustentável, acrescentou; o encerramento deste ano apresentará um déficit de 18 bilhões de euros e o problema se agrava porque aqueles que pertencem à geração do Baby Boom começam a se aposentar. Por esta razão, Antonio Huertas defendeu a necessidade de enfrentar de uma maneira global a falta de economia, “reformar o sistema de pensões para torná-lo sustentável apenas soluciona uma parte do problema; deveríamos construir também um esquema de economia de segundo pilar, vinculado à vida profissional, para que os trabalhadores possam começar a economizar para gerar um pensão complementar à pública”

Para concluir, Antonio Huertas assinalou a necessidade de que grandes camadas da população tenham acesso a esse modelo de geração de economia complementar para a pensão, por isso, seguindo as decisões adotadas em outros países, este esquema deveria ser considerado obrigatório, ou semi-obrigatório, para todos os trabalhadores.