A MAPFRE aumenta seus lucros em 5,8% no primeiro trimestres e melhora a rentabilidade em seus principais mercados
5 ( 1 voto )

DESTAQUES DO PRIMEIRO TRIMESTRE

  • Os prêmios aumentaram 3,3% e alcançaram 6,399 bilhões de euros, enquanto os lucros cresceram 0,6%, somando 188 milhões. A taxa combinada melhorou 6 décimos, alcançando 95,9%.

  • Na Espanha, os prêmios cresceram 7,9%, sete vezes mais do que o mercado, sendo a empresa que mais cresceu dentre as 5 primeiras.

  • Houve melhoras na rentabilidade dos negócios no Brasil e nos Estados Unidos e crescimento também na Latam, com destaque para México e Peru, com uma excelente taxa combinada na região.

  •  Os fundos próprios cresceram 3,5% e os ativos totais (que superam os 71,250 bilhões de euros) e os investimentos aumentaram acima de 5%.

  • Os prêmios da MAPFRE RE cresceram 10,6%, alcançando 1,541 bilhões.

  • Os acionistas cobrarão o dividendo complementar de 0,085 euros por ação em 25 de junho.

A MAPFRE implementou seu Plano Estratégico 2019-2021, reforçando o crescimento rentável e melhorando os seus principais indicadores econômicos, em um ambiente de certa neutralidade cambial, mas dentro de um contexto econômico global complexo.

Nos três primeiros meses deste exercício, as receitas da MAPFRE aumentaram 5,8%, alcançando 7,675 bilhões de euros, enquanto os prêmios alcançaram 6,399 bilhões de euros, o que representa um aumento de 3,3% (em moeda constante, os prêmios teriam crescido 3,9%). O lucro líquido alcançou 188 milhões de euros, o que representa 0,6% de aumento em relação ao primeiro trimestre do exercício anterior.
Este incremento se baseia no resultado favorável da empresa na Espanha, que segue sendo o motor do Grupo, e na força dos negócios de resseguro. Merece destaque também a melhora dos lucros nos principais mercados do Grupo, como Brasil, Estados Unidos; também, foram registradas importantes melhorias no México, Chile, Peru e República Dominicana.

A taxa combinada do Grupo melhorou 0,6 pontos percentuais e situa-se, ao final de março, em 95,9%.

O capital líquido totalizou 9,543 bilhões de euros, 3,8% mais que ao final de dezembro de 2018, enquanto os fundos próprios alcançaram 8,273 bilhões de euros, 3,5% mais do que três meses antes. Os ativos totais, por sua vez, cresceram 5,9% no trimestre, até alcançar os 71,259 bilhões de euros.
Os investimentos do Grupo totalizaram 51,788 bilhões de euros, uma cifra que representa um crescimento de 5,1% em relação ao fechamento de dezembro de 2018. Desses investimentos, 55,1% correspondem a dívida soberana, enquanto 17,8% são investimentos em renda fixa corporativa, e 7,7% em renda variável e fundos de investimento.
A taxa de solvência em dezembro de 2018 se situou em 189,5%, com 87,3% de capital de máxima qualidade (nível 1), sustentado por uma alta diversificação e políticas rigorosas de investimento e gestão.

1.- Evolução do negócio:

A Unidade de Seguros obteve, entre janeiro e março deste ano, prêmios de 5,372 bilhões de euros, 2,9% a mais do que o mesmo período do ano anterior.
→ Os prêmios da Área Regional Ibéria (Espanha e Portugal) totalizaram 2,525 bilhões de euros, com um crescimento de 7,8% e um resultado de 120 milhões de euros (+1,5%).
Na Espanha, os prêmios aumentaram 7,9%, alcançando 2,492 bilhões de euros, frente a um crescimento do mercado de 1,1%, superando tanto o setor de Vida como o de Não Vida. É importante ressaltar a boa evolução do negócio de automóveis, com um volume de prêmios de 548 milhões de euros e um crescimento de 2,6% (frente a um aumento de 1,93% do setor), especialmente no segmento de particulares (+ 2,4%) e frotas (+ 6,7%). No fim de março, o número de veículos assegurados chegava a 5,7 milhões, quase 135.000 a mais do que março do ano anterior.
O volume do negócio de seguros gerais aumentou em 4,4%, até os 646 milhões de euros, destacando o resultado favorável do setor Lar (Hogar), que cresceu 4,7% (8 décimos acima do setor), e comunidades, com um crescimento de 8,1% (5 pontos percentuais a mais do crescimento do setor).
No ramo de Saúde e Acidentes, os prêmios alcançaram os 584 milhões de euros, cifra que reflete um aumento de 4,8% em respeito ao primeiro trimestre do ano anterior.
O negócio de MAPFRE VIDA alcançou 665 milhões de euros, 20,4% a mais do que no mesmo período do ano anterior, com destaque para a boa evolução tanto do canal agencial quanto do bancário. Estão incluídas, pela primeira vez, os prêmios do mês de março da antiga BMN, com um montante conjunto de 3,7 milhões de euros. O patrimônio dos fundos de investimento cresceu 6% em comparação a dezembro de 2018, alcançando os 3,432 bilhões de euros, enquanto os fundos de aposentadoria cresceram 4,3% totalizando 5,087 bilhões de euros.
→ A Área Regional do Brasil fechou o primeiro trimestre do ano com um volume de prêmios de 967 milhões de euros (-4,6%). Esse decréscimo foi motivado pela depreciação do real brasileiro (6,7%), uma vez que, na moeda local, a emissão total de prêmios aumentou 2,3%.
O negócio de vida risco procedente do canal Banco do Brasil cresceu 33% em reais. Quanto ao negócio da MAPFRE SEGUROS, o volume de negócio decresceu 14,5% devido a um maior controle técnico nos ramos de autos e seguros gerais, assim como a um reposicionamento tarifário. Essa estratégia permitiu diminuir a taxa combinada no segmento de autos em 10 pontos percentuais no último ano. O resultado desta área regional aumentou 68,4% até os 24 milhões de euros, graças à favorável evolução do negócio de autos.
→ Os negócios da Área Regional Latam Norte cresceram 10,6%, alcançando 404 milhões de euros, impulsionados pela valorização das moedas da região e pelo bom desempenho do negócio no México e na República Dominicana. Os resultados desta Área Regional aumentaram 34,7%, ultrapassando os 13 milhões de euros.
É importante ressaltar o comportamento do México, com um volume de prêmios de 245 milhões, um crescimento de 16,3%, e com uma melhora de seu resultado, que foi duplicada (7 milhões). Isso se deve graças, entre outras razões, à diminuição da taxa combinada de automóveis, que se situou em 95,4%, devido às medidas implementadas em tarifas e seleção de risco, enquadradas na estratégia de crescimento e de melhora de rentabilidade. A República Dominicana cresceu 20,3%, alcançando os 38 milhões de euros e o Panamá alcançou um volume de prêmios de 52 milhões, 3,5% a mais.
→ Os prêmios da Área Regional Latam Sul aumentaram 0,6%, alcançando 398 milhões de euros. É importante salientar a contribuição do Peru, com 133 milhões (+7,2%), seguido por Colômbia, com 90 milhões (+4%) e o Chile, com 63 milhões de euros (+16,9%). Ainda, é notável a evolução da taxa combinada desta área regional, que se situa em 95,5%, o que implica em uma melhora de 1,5 pontos percentuais em respeito ao primeiro trimestre do exercício anterior.
→ O volume de negócios na Área Regional América do Norte foi de 551 milhões de euros (-2%). Nos Estados Unidos, os prêmios decresceram 1,9%, até os 476 milhões de euros, devido às medidas técnicas adotadas na assinatura dos negócios dos estados fora da região Nordeste. Essas medidas também se traduziram em uma melhora do resultado, com lucros de 9 milhões de euros (diante das perdas de 7 milhões de euros em março de 2018). Porto Rico, por sua vez, registrou prêmios na quantia de 74 milhões de euros (-2,3%) e melhorou seu resultado em 63,7%, alcançando os 5 milhões de euros; sua taxa combinada melhorou em 3,2 pontos percentuais, situando-se em 92,6%.
→ Os prêmios da Área Regional Eurásia ao final de março deste ano foram de 527 milhões de euros (-2,6%). Essa evolução foi afetada pela forte depreciação da lira turca (22,3%). A Alemanha contribui com 150 milhões de euros em prêmios (+2,5%), seguida por Turquia, com 132 milhões de euros (-12,4%), cifra que, na moeda local, pressupõe um crescimento de 13%. Naquele país, a evolução dos negócios se vê condicionada pela limitação das tarifas do ramo de automóveis, pela elevada inflação e pela evolução cambial. A Itália, por sua vez, cresceu 7% até os 123 milhões de euros, e Malta, 1,2%, alcançando os 104 milhões de euros.
Os prêmios da Unidade de Resseguro perfizeram 1,541 bilhões de euros, cifra que representa um aumento de 10,6%. Nesse número estão incluídos os prêmios do negócio de Global Risks (247 milhões de euros), que foi integrado à MAPFRE RE. O resultado líquido da MAPFRE RE se situou em 52 milhões de euros (-26,7%), afetado por um aumento de sinistros em grandes riscos durante o primeiro trimestre deste ano.
Por fim, os lucros da unidade de Assistência aumentaram 4,2%, alcançando 254 milhões de euros, impulsionados pelo negócio de seguros de viagem, que cresceu 6% e pelo negócio de riscos especiais do Reino Unido.

2.- Dividendo
O Conselho de Administração aprovou o pagamento do dividendo complementar correspondente aos resultados do exercício 2018 de 0,085 euros brutos por ação no próximo 25 de junho. Deste modo, o dividendo total correspondente aos resultados do exercício 2018 terá alcançado 0,145 euros por ação.

A MAPFRE aumenta seus lucros em 5,8% no primeiro trimestres e melhora a rentabilidade em seus principais mercados

A definição e o cálculo das Medidas Alternativas do Rendimento (MAR) empregadas no Relatório, que correspondem àquelas medidas financeiras não definidas ou descritas no escopo das informações financeiras aplicáveis, podem ser consultados no site: https://www.mapfre.com/corporativo-pt/acionistas-investidores/informacao-financeira/medidas-alternativas-desempenho/