PRINCIPAIS DADOS DO TRIMESTRE

  • A receita do Grupo nos três primeiros meses do ano superou 7.560 bilhões de euros.
  • Após dois anos de queda como consequência da pandemia, o valor dos prêmios, de 6.538 bilhões de euros, é o mais alto dos últimos 5 anos.
  • Os prêmios em todas as áreas regionais, com exceção da Eurásia, cresceram de maneira significativa.
  • A diversificação geográfica e comercial compensa os desvios de sinistralidade pós-Covid. Por sua vez, a taxa combinada de Seguros Gerais está em 92,6%.
  • A Ibéria continua sendo a região que mais contribui com prêmios e lucros para o Grupo.
  • Os prêmios da MAPFRE RE cresceram 17,4% e o lucro aumentou em mais de 12%.
  • A sinistralidade Covid é menos da metade que há um ano atrás e a concentração na LATAM continua.
  • O dividendo complementar será pago no dia 31 de maio. O dividendo de 2021 já está em níveis prévios à pandemia.

Os prêmios da MAPFRE nos primeiros três meses deste ano cresceram 10,9%, para alcançar 6.538 bilhões de euros, com aumentos significativos em todos os mercados e operações relevantes. O volume de prêmios marca uma importante virada no retorno ao caminho do crescimento: é o maior valor de negócio dos últimos 5 anos e quebra a tendência de queda dos prêmios em 2020 e 2021, afetados pela crise da Covid. A receita do Grupo, entre janeiro e março deste ano, foi de 7.568 bilhões de euros, um incremento de 3,6% em comparação com o mesmo período do ano passado. A maioria dos países apresentou um crescimento significativo devido ao desempenho positivo de quase todas as moedas, tanto em euros como em moeda local.

O lucro da MAPFRE no final do primeiro trimestre do ano foi de 155 milhões de euros (-10,9%), destacando a contribuição da área regional Ibéria, que continua sendo o maior contribuinte para o lucro do Grupo, e o ritmo positivo da contribuição da MAPFRE RE.

A estratégia de diversificação geográfica e de negócios reflete-se na evolução do trimestre com um crescimento significativo das receitas de prêmios nos ramos relevantes, aumentando a solidez e resiliência do Grupo.

No primeiro trimestre de 2022 e apesar da variante Ômicron, as sinistralidades incorridas pela Covid foram reduzidas devido à evolução positiva da vacinação. A seguir, é apresentada uma evolução da sinistralidade dos últimos cinco trimestres:

Esta sinistralidade, embora em diminuição, ainda representam quase 46 milhões de euros. A maior parte deste montante, que foi 58% inferior ao do primeiro trimestre do ano anterior, se concentrou na LATAM, com quase 32 milhões de euros. Por regiões e unidades de negócio, o detalhamento deste impacto é:

Esta redução da sinistralidade da Covid faz com que o resultado de Vida praticamente duplique o do ano anterior.

A taxa combinada foi de 98% no final de março, um aumento de 3,7 pontos percentuais, devido ao crescimento generalizado da sinistralidade de Automóveis e Saúde, devido tanto à maior frequência de sinistros derivada do aumento da mobilidade quanto ao aumento do custo médio impactado pelas pressões inflacionárias, agravado pela guerra na Ucrânia.

No lado positivo, a diversificação geográfica e comercial da MAPFRE protege a empresa contra esses desvios. Outras ramificações, como o Seguros Gerais, tiveram um desempenho muito favorável com uma taxa combinada de 92,6.

O patrimônio atribuível do Grupo ao finalizar o primeiro trimestre de 2022 era de 8.002 bilhões e o total dos ativos era de 64.644 bilhões de euros.

Por sua vez, os investimentos da MAPFRE alcançam 44.980 bilhões de euros e metade deles corresponde a renda fixa soberana.

No fechamento de 2021, a taxa de Solvência II se posicionou em 206,3%, com 87,4% de capital da mais alta qualidade (nível 1). Essa taxa reflete uma abordagem prudente do balanço e uma gestão ativa dos investimentos, bem como a grande solidez e resiliência do balanço da MAPFRE.

1.- UNIDADE DE SEGUROS

Os prêmios da Unidade de Seguros no final do primeiro trimestre de 2022 totalizavam 5.540 bilhões de euros, 12,1% a mais do que no mesmo período do ano anterior.

 

Ibéria

  • Na Área Regional Ibéria (Espanha e Portugal), os prêmios aumentaram 2,3% para 2.542 bilhões de euros. O resultado desta área regional se situou em 102 milhões de euros, o que representa uma queda de 5,6% em comparação com o mesmo período do ano anterior, consequência da saída de Bankia Vida. Contudo, descontando esse efeito, o resultado desta área regional cresceria em 5,5%.

Na Espanha, os prêmios atingiram 2.495 bilhões de euros, um aumento de 1,7%. A Espanha continua sendo o país que mais contribui para o Grupo, tanto em termos de prêmios como de lucros.

É importante salientar a evolução do negócio de Automóveis, que mantém estável seu número de veículos segurados, 6,2 milhões, e prêmios de 538 milhões de euros (-0,2%). O retorno à normalidade da mobilidade aumentou a taxa de sinistralidade nesta ramificação em mais de 10 pontos percentuais.

Os prêmios no negócio de Seguros Gerais cresceram 3,4% para 735 milhões de euros, com o bom desempenho de Lar (+1,7%) e Comunidades, com um aumento dos prêmios de 7,7%, comparado com o crescimento de 4,3% do setor no período). Também se destaca o negócio de Empresas, com um aumento de 12,2% nos prêmios no primeiro trimestre deste ano. Os prêmios de Saúde e Acidentes mantiveram um crescimento de 6,4%, chegando a 717 milhões de euros.

No negócio de Vida, os prêmios no final do primeiro trimestre de 2022 eram de 449 milhões de euros (-3,1%), principalmente devido à saída de Bankia Vida do perímetro de consolidação da MAPFRE. Excluindo este efeito, os prêmios nesta ramificação teriam crescido 9,4%, em comparação com o crescimento de 3,4% da indústria. Destaca-se a melhoria no negócio de Vida Economia, que cresceu 14,8%, devido ao bom desempenho dos unit-linked e das apólices grupais, assim como o desempenho do canal de agências, que aumentou seus prêmios em 18,7% nos primeiros três meses do exercício.

O patrimônio dos fundos de aposentadoria eram de 6.266 bilhões de euros no final de março (-2,6%), enquanto os dos fundos de investimento totalizavam 4.605 bilhões de euros (-1,5%).

            Brasil:

  • No Brasil, os prêmios atingiram 987 milhões de euros, um aumento de 35,3% apoiado pelo desempenho positivo dos negócios de seguros agrários, vida risco e automóveis, que cresceram 76,3%, 21,7% e 35,2% respectivamente, e a evolução positiva do real brasileiro, que apreciou 17,2%.

Por ramificações, Seguros Gerais é o que mais contribui para o Grupo, com um volume de 541 milhões de euros (+46,1%), seguido por Vida, com 295 milhões de euros (+19,3%) e Automóveis, com crescimento de 35,2% até 151 milhões de euros.

O resultado é impactado pelo alto índice de sinistralidade no ramo de automóveis e pelas persistentes secas no sul do país, que afetaram o seguro agrícola, gerando um custo de 21 milhões de euros.

Latam Norte:

  • Na área Regional Latam Norte, os prêmios no negócio de seguros cresceram 26,8% para 576 milhões de euros, impulsionados em parte pela valorização de todas as moedas da região e pelo crescimento significativo da ramificação Saúde e Acidentes (+26,4%).

O lucro líquido desta área regional aumentou 25,6% até 13 milhões de euros. Todos os países desta área regional fecharam o trimestre com lucros e a contribuição do México em prêmios foi digna de nota.

Latam Sul:

  • Os prêmios na região Latam Sul aumentaram em 25,5% para 489 milhões de euros O Peru, que continua sendo o país da região que mais contribui com prêmios, cresceu 44,4%, para 176 milhões de euros. A Colômbia, por sua vez, registrou um aumento de 3,4% e ultrapassou 106 milhões de euros. Também se destaca a evolução da Argentina (+32,8%) para 63 milhões de euros; do Uruguai, com um crescimento de 31,8% para 31 milhões de euros, e do Chile, com um volume de prêmios de 76 milhões de euros e um aumento de 21,5% no primeiro trimestre deste ano.

América do Norte:

  • Na Área Regional América do Norte, os prêmios cresceram 18,8% para mais de 540 milhões de euros nos primeiros três meses deste ano, principalmente devido à incorporação na MAPFRE USA do negócio de Century, proveniente de Assistência, e ao bom desempenho de Seguros Gerais (+4,2%). Nos Estados Unidos, os prêmios cresceram 22,8% para 487 milhões de euros, enquanto em Porto Rico, o volume de prêmios foi de 54 milhões de euros (-8,5%).

Eurásia:

  • Na Área Regional Eurásia, os prêmios se situaram em 406 milhões de euros, uma queda de 5,8%, afetado pela depreciação da lira turca (41,3%). Destaca-se a contribuição da Alemanha, com um volume de prêmios de 159 milhões de euros (+0,1%), seguida por Malta com 103 milhões de euros (-6,3%). Na Turquia, os prêmios totalizaram 75 milhões de euros, 6,9% abaixo devido à depreciação da lira turca. Em moeda local, os prêmios cresceram 58,6%.

2.- UNIDADES DE RESSEGURO E GLOBAL RISKS

  • Os prêmios da MAPFRE RE, que incluem o negócio de resseguros e grandes riscos, cresceram 17,4% nos primeiros três meses do exercício de 2022, para 1.862 bilhão de euros, com um lucro atribuível de 37 milhões de euros, representando um aumento de 12,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, apesar do impacto de 16 milhões de euros derivados das secas no Brasil e no Paraguai. Também é importante destacar a melhoria de um ponto percentual na taxa combinada, que no final de março de 2022 era de 94,1%.

O negócio ressegurador fechou o trimestre com prêmios de 1.360 bilhão de euros (+12%) e um lucro líquido de 27 milhões de euros (+8,6%).

Os prêmios no negócio de Global Risks aumentaram 34,7% para 503 milhões de euros, com um lucro de 9 milhões de euros, representando um crescimento de 25,9% em comparação com o primeiro trimestre de 2021.

3.- UNIDADE DE ASSISTÊNCIA

Por último, os lucros da unidade de Assistência foram reduzidos em 23,8%, até chegar aos 104 milhões de euros. Esta queda é parcialmente explicada pela estratégia de saída das operações de seguros de viagem no Reino Unido, a transferência do negócio Century nos Estados Unidos da Assistência para a MAPFRE USA durante o segundo semestre do ano passado, e a venda dos negócios na Austrália no primeiro trimestre deste ano.

A reestruturação desta unidade se reflete na melhoria do resultado, com um lucro de 400 mil no primeiro trimestre deste ano, comparado a um prejuízo de 2.1 bilhões entre janeiro e março do ano passado, e uma melhoria na taxa combinada de 1,7 pontos percentuais para 98,6%.

DIVIDENDO

O Conselho de Administração concordou que o pagamento do dividendo complementário do exercício de 2021 de 0,085 euros brutos por ação, aprovado pela assembleia geral de acionistas, será pago dia 31 de maio. Como resultado, o dividendo total para 2021 será de 0,145 euros brutos por ação, retornando aos níveis prévios à pandemia.

Assim, o Grupo pagará um total de 446.9 bilhões de euros a seus acionistas em 2021, o que representa um pay-out de 58,4%.