As receitas da MAPFRE alcançaram 20.964 milhões nos primeiros nove meses do ano e o lucro ultrapassou os 572 milhões
5 ( 1 voto )

Principais cifras dos primeiros nove meses

  • O lucro antes de impostos cresceu 15,5%, chegando a 1.342 milhão e os prêmios alcançaram 17.109 milhões.
  • A economia administrada do Grupo registrou um aumento de 6%, chegando a 38.718 milhões.
  • Os fundos próprios aumentaram 585 milhões (6,8%), alcançando 9.158 milhões.
  • O índice combinado do Grupo apresentou uma melhora de 1,5 pontos, ficando em 97,2%.
  • O negócio de seguros na Espanha cresceu 6,5% e o índice combinado apresentou uma melhora de 3,6 pontos, chegando a 93,4%, graças à eficiente gestão técnica.
  • A empresa destinará um total de 400 milhões de euros para retribuir seus acionistas em 2016.

Nos nove primeiros meses deste ano, a receita da MAPFRE alcançou 20,964 milhões de euros, uma cifra que representa um crescimento de 1,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Por outro lado, os prêmios ficaram em 17.109 milhões, o que representa 1,3% a menos. O lucro antes de impostos e minoritários aumentou 15,5%, chegando a 1.342 milhão, e o resultado líquido ficou em 572 milhões de euros, o que representa 3,3% a menos em relação aos primeiros nove meses do exercício anterior.

Em 2015, foram registrados dois eventos extraordinários que afetaram de forma relevante o resultado desse exercício: a venda do negócio de seguros em conjunto com o CatalunyaCaixa e as despesas extraordinárias decorrentes das tempestades de neve nos Estados Unidos. Descontando esses efeitos, o lucro atribuído consolidado do Grupo teria crescido 5,5% nos primeiros nove meses deste ano.

Estes resultados são consequência da estratégia do Grupo de concentrar seus negócios em atividades rentáveis. O índice combinado da MAPFRE apresentou uma redução de 1,5 pontos, chegando a 97,2%, com destaque especial para os excelentes índices combinados tanto da MAPFRE ESPANHA (93,4%) como do MAPFRE BRASIL (94,7%) e na região nordeste dos Estados Unidos (que representa 74% dos prêmios desse país), com 95,2%.

No final dos primeiros nove meses deste ano, os ativos totais alcançaram 68.560 milhões de euros, com um crescimento de 8% desde o encerramento do exercício de 2015, de forma que os fundos próprios registraram um aumento de 585 milhões (+6,8%), chegando a 9.158 milhões de euros, graças à gestão estratégica dos investimentos. Por sua vez, nos primeiros nove meses, a economia administrada registrou um aumento de 6%, alcançando 38.718 milhões de euros, impulsionada pelo negócio de vida adquirido em Portugal pelo Bankinter Vida e pela evolução positiva dos fundos de investimento, entre outros fatores.

1.- Evolução do negócio:

A Unidade de Seguros obteve prêmios de 14,025 milhões (-1,6%), enquanto o volume de prêmios da Unidade de Riscos Globais atingiu 888 milhões de euros (+7,1%). Por sua vez, as receitas da Unidade de Asistencia, Serviços e Riscos Especiais ficaram em 889 milhões de euros (-5,6%).

  • A Área Regional Ibéria obteve prêmios de 5.410 milhões de euros (6,4% a mais), representando 29,2% do total. Por sua vez, o lucro bruto aumentou 36,5%, chegando a 557 milhões de euros. Se fosse excluída a contribuição do CatalunyaCaixa, o lucro atribuível da Área Regional Ibéria teria crescido 68,5%. Estes resultados baseiam-se na gestão técnica eficiente, na melhor seleção de riscos e na redução de gastos.
    No negócio de automóveis, os prêmios registraram um aumento de 2,5%, alcançando 1.599 milhão de euros, ao passo que no de saúde, o crescimento foi de 7,8% (3,7 pontos a mais que do mercado), chegando a 494 milhões de euros, e em Empresas o negócio aumentou 11,1%, atingindo 481 milhões de euros.
    Na Espanha, os índices combinados de todos os ramos relevantes apresentaram melhora, com destaque especial para a evolução do negócio de Automóveis, que melhorou 3,1 pontos, alcançando 95,7%; o de Empresas teve um declínio de 5,3 pontos, chegando a 89,3%, e de o Multirriscos e outros segmentos pessoais, que ficou em 87,5% (com uma queda de 6,5 pontos).
    A MAPFRE VIDA, por sua vez, registrou 17,2% de aumento em prêmios, atingindo 1.523 milhão de euros, com destaque para a boa evolução do negócio de prêmios únicos (+51,1%) e de vida-poupança (+21,1%). Além disso, é importante salientar o aumento dos fundos de investimento, que registraram um aumento de 10,5%, chegando a 2.619% milhões de euros, enquanto o patrimônio dos fundos de pensões ficou em 4,487 milhões de euros.
  • Os prêmios da Área Regional Brasil, que representam 17,9% do total, alcançaram 3.324 milhões de euros (-10,4% em euros, -3,2% em moeda local). Tanto os prêmios como os lucros foram afetados, entre outras razões, pela desvalorização do real e pela menor atividade de crédito do canal de seguros bancários. Não obstante, é importante destacar que, apesar de um contexto de acentuada contração econômica, os negócios registraram um sólido desempenho em moeda local, com um crescimento de 15% em seguros agrícolas, e de 4 % em riscos industriais, e que a evolução do lucro antes de impostos é também positiva, aumentando 0,1% em moeda local (-7,6% em euros), chegando a 600 milhões de euros.
  • A Área Regional Latam Sul obteve 1.434 milhão de euros em prêmios entre janeiro e setembro, 21,3% a menos, entre outras razões, devido à taxa de câmbio “implícita” da Venezuela e ao cancelamento de determinados contratos deficitários na Colômbia. No entanto, em moeda local, todos os países desta área regional registraram crescimento, com destaque para a evolução positiva do negócio de multirrisco, automóveis e saúde no Peru, e do de automóveis na Colômbia. O lucro antes de impostos desta área, que contribui com 7,7% dos prêmios totais, foi de 47 milhões de euros (-37,4%).
  • Os prêmios da Área Regional Latam Norte chegaram a 1.007 milhão de euros (-32,7%). Esta comparação é afetada pela apólice plurianual da Pemex (que contribuiu com 387 milhões de euros) contabilizada no primeiro semestre de 2015 e pelo cancelamento de contratos deficitários nos ramos de automóveis e riscos industriais no México. O resultado antes de impostos desta área regional chegou a 55 milhões de euros (-8,5%). A contribuição desta área para os prêmios totais do Grupo é de 5,4%./li>
  • A Área Regional América do Norte, que representa 11,9% do total dos prêmios, obteve 2.216 milhões de euros em prêmios, 5,4% a mais que nos primeiros nove meses do ano anterior. É importante destacar o crescimento dos Estados Unidos, com um volume de prêmios de 1.932 milhão (+7% em euros, +7,4% em moeda local), destacando a sólida posição competitiva no estado de Connecticut, além de Massachusetts. O lucro antes de impostos desta Área Regional foi de 90 milhões de euros, em comparação com as perdas de 72 milhões no mesmo período do ano anterior.
  • Os prêmios da Área Regional EMEA, que contribui com 10,3% do total dos prêmios, registraram um aumento de 43,7%, alcançando 1.925 milhão de euros. Cabe destacar a boa evolução dos negócios na Turquia, que cresceram 7,8% (+42% em moeda local), chegando a 654 milhões, e com um lucro bruto de 25 milhões (+192% em moeda local), e em Malta, cujos prêmios apresentaram um aumento de 32,1%, chegando a 248 milhões de euros. Esta Área Regional registrou perdas de 45 milhões entre janeiro e setembro devido, principalmente, tanto ao processo de reestruturação do modelo operacional da Direct Line na Itália no primeiro ano, como à modificação do modelo de atividade de asistencia na Europa e de vários sinistros industriais no negócio de riscos globais.
  • Os prêmios da Área Regional APAC, que representam 0,5% do Grupo, alcançaram 101 milhões de euros, o que representa um aumento de 15,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. As perdas desta Área Regional chegaram a 11,5 milhões de euros.
  • Os prêmios da MAPFRE RE representaram 17,1% do total do Grupo, situando-se em 3.180 milhões de euros, o que representa um aumento de 8,5%. Por sua vez, o resultado bruto alcançou 162 milhões de euros, 8%o a mais do que no mesmo período do ano anterior.

2.- Dividendos:

O Conselho de Administração da MAPFRE aprovou um dividendo intermediário correspondente aos resultados do exercício de 2016. Os acionistas receberão 6 centavos de euro por ação e, portanto, este ano receberão um total de 13 centavos de euro por ação, e a empresa destinará um total de 400 milhões de euros em retribuições aos seus acionistas.

As receitas da MAPFRE alcançaram 20.964 milhões nos primeiros nove meses do ano e o lucro ultrapassou os 572 milhões