AENOR certifica 4 edifícios da sede social da MAPFRE.

Aproveita 92% dos resíduos que gera para evitar que acabem em um aterro sanitário e para que não produzam emissões de CO2.

Em 2022, continuará impulsionando medidas para reduzir seus resíduos em 5% e aumentar a reciclagem em 3%.

A empresa se compromete a renovar este título todos os anos e a estendê-lo a mais escritórios e países.

Além disso, eliminou todas as garrafas e copos de plástico descartáveis, graças ao projeto ‘MAPFRE Sem Plásticos’.

 

A MAPFRE converteu sua sede social em Resíduo Zero, um certificado concedido pela AENOR às entidades que classificam os resíduos que geram para que possam ser reutilizados ou reciclados e não acabem em um aterro sanitário.

A empresa iniciou este projeto no começo de 2021 em quatro edifícios de Majadahonda, em Madri, o que lhe permitiu continuar protegendo o meio ambiente, posicionar-se como uma referência em termos de sustentabilidade e somar ao seu lema #LaParteQueNosToca, que representa seu compromisso de construir um mundo mais limpo, justo e igualitário.

Durante este tempo, a MAPFRE instalou 122 novos contêineres para fomentar a separação de resíduos e sua posterior reciclagem. Além disso, retirou as lixeiras com o objetivo de fazer com que seus funcionários separem adequadamente os diferentes resíduos e evitem misturar matéria orgânica, máscaras protetoras, embalagens, papel e toner, entre outros.

Tudo isso lhe permitiu “valorizar” ou aproveitar 92% dos resíduos gerados pela entidade para evitar que acabem em um aterro sanitário e para que não produzam emissões de CO2.    

                                                                                                       

351 toneladas a menos em aterros sanitários

Graças ao projeto Resíduo Zero, que contou com a contribuição de cerca de 2.500 funcionários e diferentes colaboradores, como o pessoal de limpeza e de manutenção, a empresa reciclou em um ano um total de 40 toneladas de papel, 34 toneladas de embalagens e 15 toneladas de papelão, e gerou energia através da classificação de um total de 84 toneladas de resíduos orgânicos.

Também administrou 3 toneladas de resíduos tecnológicos, que foram reutilizados e reciclados, uma medida com a qual evitou a emissão de 7,8 toneladas de CO2 à atmosfera.

O projeto Resíduo Zero proporcionou outras vantagens destinadas a promover a reciclagem e a redução de resíduos como, por exemplo, reduzir o desperdício de alimentos, reutilizar 241 equipamentos informáticos para uso interno e doar 600 equipamentos informáticos que estavam fora de uso profissional para entidades sem fins lucrativos e escolas, para prolongar assim sua vida útil. Também permitiu habilitar estações de reciclagem nas cafeterias dos edifícios e incorporar guardanapos e copos de café de material biodegradável.

 

Menos poluição

Com o Resíduo Zero, a empresa pôs em andamento um plano de formação e sensibilização para que seus trabalhadores saibam classificar corretamente e aumentem o uso de outros contêineres já disponíveis para reciclar papel, toner, pilhas e celulares, entre outros. Entre as mensagens que foram difundidas, destaca-se o fato de que graças à reciclagem, reduz-se a pegada de carbono, evita-se poluir a água, o solo e o ar (ODS 6 e 13), poupam-se matérias-primas (ODS 12), conservam-se os recursos naturais e os ecossistemas (ODS 15) e protege-se a saúde e o bem-estar (ODS 3).

 

Mais países

O novo plano de Sustentabilidade da MAPFRE para 2022-24, mais ambicioso que os anteriores, incorporou novas medidas para continuar diminuindo a geração de resíduos e estabelecer planos e programas de redução paulatina em mais escritórios e países como, por exemplo, México, Brasil e Porto Rico.

Em 2022, a seguradora continuará impulsionando medidas para reduzir seus resíduos em 5% e aumentar a ‘valorização’ dos mesmos em 3%.

 

Sem Plásticos

Não é a primeira vez que a empresa promove iniciativas para proteger o meio ambiente. Graças ao projeto ‘MAPFRE Sem Plásticos’, implantado em 2019, a empresa não utiliza plástico em países como Espanha, México, Paraguai, Brasil e Peru, e seus funcionários usam garrafas de vidro reutilizável e fontes de água filtrada.