DESTAQUES DO PRIMEIRO SEMESTRE

  •  Fortaleza do negócio nos três principais mercados: Espanha, Brasil e Estados Unidos.
  •  Melhora generalizada das taxas combinadas, posicionando a do Grupo em 95,9%.
  •  Intenso crescimento do negócio na América Latina, com um aumento de prêmios de 17%.
  •  O lucro das unidades de seguros cresceu 9,4%.
  •  A Espanha cresceu 5,1% frente à queda de 1% no setor.
  •  Recorde histórico dos ativos totais, superando 73,5 bilhões (+9,3%).

As receitas da MAPFRE no primeiro semestre do ano aumentaram em 15,051 bilhões de euros, o que indica um crescimento de 6,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, graças, por um lado, ao aumento dos prêmios, que subiram em 12,528 bilhões de euros (+4,7%), e às maiores receitas financeiras. O lucro líquido ao fecho dos seis primeiros meses do ano foi de 375 milhões de euros (-2,9%), afetado pelas menores mais-valias financeiras e uma menor contribuição do negócio Vida no Brasil.

Merece destaque a evolução positiva do negócio na Espanha, com um crescimento de 5,1%, assim como na área regional LATAM Norte, com um aumento de 78% no México e na LATAM Sul, onde o negócio cresceu 1,5% graças ao comportamento positivo do Chile e do Peru.

Durante esse período, também houve uma melhora da taxa combinada do Grupo de 1,5 pontos percentuais, situando-se em 95,9%, e uma melhora da taxa de sinistralidade de quase 2 pontos percentuais, em 67,5%.

O patrimônio líquido foi de, ao fecho de junho, 10,134 bilhões de euros, 10,2% a mais que em dezembro de 2018, enquanto os fundos próprios aumentaram em 8,840 bilhões de euros, 10,6% a mais que em dezembro do ano anterior.

Os ativos totais, por sua vez, cresceram 9,3% até alcançar os 73,571 bilhões de euros. Trata-se do maior volume registrado na história da MAPFRE, e responde não somente ao crescimento derivado da própria atividade seguradora, mas também ao aumento da avaliação das carteiras de aplicações financeiras como consequência da redução do valor do dinheiro na Europa e nos Estados Unidos.

Os investimentos do Grupo foram de 53,172 bilhões de euros, 7,9% a mais do que em dezembro de 2018. A maior fatia desses investimentos, 56% (29,992 bilhões de euros) correspondem à dívida soberana; enquanto 18% (9,37 bilhões de euros) estão na renda fixa corporativa; 5% em renda variável (2,559 bilhões de euros); e 3% (1,465 bilhões de euros) em fundos de investimento.

A taxa de solvência em março de 2019 foi de 189,1%, com 87% de capital de máxima qualidade (Nível 1), mantendo grande solidez e estabilidade graças à grande diversificação e às rigorosas políticas de investimentos do Grupo.

1.- Evolução do negócio:

Os prêmios da Unidade de Seguros nos seis primeiros meses deste ano aumentaram em 10,620 bilhões de euros, o que supõe um aumento de 7% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

  • A Área Regional Ibéria (Espanha e Portugal) aumentou seu negócio em 5% durante os seis primeiros meses do ano até alcançar os prêmios de 4,337 bilhões de euros.

Na Espanha, os prêmios aumentaram em 4,271 bilhões de euros, o que representa um crescimento de 5,1% frente a uma queda no setor de 1%. Merece destaque a evolução do negócio de automóveis, com um crescimento de 2,3% em 1,153 bilhões de euros, frente a um crescimento de mercado de 1,6%, e um total de 5,9 milhões de veículos segurados (175.250 a mais que em junho do ano passado). É importante salientar o crescimento do negócio de frotas de automóveis, que aumentou 5,5%, e da Verti, que aumentou 5,3%. Em Saúde e Acidentes, os prêmios aumentaram em 591 milhões (4,5%) enquanto em Residencial o crescimento foi de 4,9%, superando os 3 milhões de apólices, e em Comunidades, aumentou 8,7%, mais que o dobro do mercado.

Os prêmios de MAPFRE VIDA finalizaram o mês de junho em 1,315 bilhões de euros, o que supõe um crescimento de 10,3%, impulsionado pelos negócios de vida e poupança, que nos seis primeiros meses deste ano aumentaram em 11,3%, e o bom desempenho tanto do canal das agências quanto do canal bancário. Além disso, desde o mês de março, incluem-se os prêmios de Caja Granada Vida e Cajamurcia Vida, pelo montante de aproximadamente 13 milhões de euros. O patrimônio dos fundos de investimento durante o primeiro semestre do ano cresceu 8,9%, em 3,523 bilhões de euros, e os fundos de aposentadoria aumentaram em 6%, superando os 5,169 bilhões de euros.

  • A Área Regional Brasil aumentou seu volume de prêmios em 1,9% nos seis primeiros meses do ano, em 2,056 bilhões de euros. Em moeda local, o crescimento dos prêmios aumentou 5,6%.

Merece destaque a melhora do negócio Vida, que cresceu 15,7%, e de seguros gerais, com um aumento de 4,7%, e a evolução da taxa combinada, que melhorou 10,8 pontos percentuais, em 91,6%. O lucro dessa área regional aumentou em 63,1%, chegando a 49 milhões de euros, graças à evolução favorável do negócio de automóveis e de seguros gerais, com uma melhoria significativa da taxa combinada nos dois ramos.

  • O negócio da Área Regional LATAM Norte aumentou em 77,6%, chegando a 1,252 bilhões de euros, impulsionado pelo México, que cresceu 130,6%, chegando a 936 milhões de euros, devido ao bom desempenho da maioria dos mercados da região, especialmente da República Dominicana, com um crescimento de 20,6%, em 78 milhões de euros, e da Guatemala, com um aumento de 16,4%, em 36 milhões de euros. Além disso, é importante salientar a melhora da taxa combinada nessa área regional em 2 pontos percentuais, chegando a 93,1%.
  • Os prêmios da Área Regional LATAM Sul aumentaram em 1,5% durante os seis primeiros meses do ano, até alcançar os 807 milhões de euros, e a taxa combinada dessa área regional melhorou 1 ponto percentual, situando-se em 95,7%.

Merece destaque o ótimo desempenho do Peru, que cresceu 13,6%, em 286 milhões de euros, e do Chile, que aumentou seu negócio em 13,1%, ou 124 milhões de euros.

  • O volume de negócios da Área Regional América do Norte se situou em 1,216 bilhões de euros (-2,6%), com um resultado atribuído de 46 milhões de euros, frente aos 4 milhões do ano anterior. Esse aumento dos lucros é explicado pela melhora do resultado de assinaturas graças à diminuição da sinistralidade em automóveis e nos seguros em geral, e por um melhor resultado financeiro.

Nos Estados Unidos, os prêmios aumentaram em 997 milhões de euros (-3,8%), e os lucros se situaram em 35 milhões, frente às perdas de 2 milhões em 2018, circunstâncias explicadas pela saída dos Estados com negócios menos rentáveis, realizada no ano passado, e também pela melhora do resultado segurador em Massachusetts.

Em Porto Rico, por sua vez, o negócio cresceu 3,4%, em 219 milhões de euros, com um aumento de 61,2% dos lucros, em 10 milhões de euros, e uma melhora de mais de 2 pontos percentuais de taxa combinada, de até 92,8%.

  • Os prêmios da Área Regional Eurásia se situaram em 951 milhões de euros (-4,5%). Na Turquia, os prêmios foram de 240 milhões de euros (-14,4%), prejudicados pela depreciação em mais de 20% da lira turca. Em moeda local, o negócio na Turquia cresceu 9,6%, muito abaixo da inflação, devido a uma política rígida de assinaturas focadas em reduzir o peso do ramo de responsabilidade civil de automóveis.

Nessa área regional, destaca-se a evolução positiva em prêmios na Itália (+4,1%), de 264 milhões de euros, e na Alemanha, com um volume de 209 milhões de euros (+2,9%).

Os prêmios da Unidade de Resseguro cresceram 0,4%, com um volume de 2,804 bilhões de euros. Nessa cifra estão incluídos os prêmios do negócio de Global Risks (567 milhões de euros) que foram integrados à MAPFRE RE. O resultado líquido da MAPFRE RE foi de 85 milhões de euros (-29,6%), afetado por um sinistro de 20 milhões de euros.

Por último, as receitas da unidade de Assistência foram, ao fecho de junho deste ano, de 498 milhões de euros, o que representa um declínio de 1,8% em relação ao mesmo período do ano anterior.